Aventuras nas Terras Ermas

A Estrada é Longa e Cansativa

Primavera de 2946 - A Campainha do Pântano - Sessão 2

  • Kori chega até o Lago Comprido por uma das muitas estradas que poderiam ter trazido ela até este local. Enquanto atravessa o longo passadiço de madeira que conecta o chão firme com Esgaroth, a Beorning se vê acompanhada por um cardume de trutas que parecem demonstrar um certo interesse na jovem ou apenas por mera curiosidade. Os peixes se afastam rapidamente conforme Kori avança em seu caminho, muitos barcos e gaivotas são avistados, além da ossada do grande verme. 
     
  • A área comercial da Cidade do Lago é um caos e repleta de um exotismo sem fim. A Beorning tenta se situar em meio ao movimento constante de pessoas de todos os tipos, e claro, com a sensação estranha de estar caminhando por cima da água. Os olhos da jovem são atraídos por um pequeno grupo de outros de sua cultura que passavam pelo local, trazendo uma felicidade momentânea ao rever seus semelhantes.
     
  • A jovem do Vale do Anduin escuta uma conversa sobre o desaparecimento de dois Anões, um deles sendo o próprio Balin, o Conselheiro do Rei sob a Montanha e herói da Batalha dos Cinco Exércitos. Os Beornings falam de outros dois Anões que pretendem formar uma Comitiva, que parecem estar hospedados no Junco Dourado, para seguir em busca dos desaparecidos. O mais velho dos Beornings reconhece a adaga que Kori carrega consigo e fala sobre as bravuras de seu pai. A Garra do Urso segue em direção à taverna. 
     
  • Sigvald conhece muito bem a Cidade do Lago e rapidamente se familiariza com a mesma. Seus negócios na cidade envolvem mais do que apenas a busca por ervas de fumo, como também a descoberta por novos conhecimentos e segredos. O Barding observa a Casa Grande, bem como as outras suntuosas residências próximas e acaba por esbarrar com dois Anões bem apressados, Hanar e Ginar. O acaso lhe joga de cabeça nas histórias que rondam Esgaroth, sobre Anões desaparecidos, corvos falantes e outros rumores. Os três decidem por conversar melhor com uma boa cerveja e um lugar para se sentar no Junco Dourado. 
     
  • Kori nota a chegada dos Anões à taverna e segue para mesa deles já com seu caneco de cerveja. Sigvald reconhece a Beorning, apesar de terem se passado alguns anos, ela é a criança para quem o Barding entregou a adaga do guerreiro Einarr, um valoroso combatente que lutou na Batalha dos Cinco Exércitos. Hanar e Ginar falam da missão do Anão Glóin, que procura por aventureiros que partam em busca de Balin e seu companheiro, além de citarem a formação de uma outra Comitiva com os mesmos objetivos. 
     
  • A Beorning, o Barding e os dois Anões seguem em busca de informações sobre o aluguel das embarcações na região dos ancoradouros, sabendo que a documentação fornecida por Glóin tornaria tudo mais rápido. No trânsito para o local, já no cair da noite, Sigvald vê no topo dos telhados um corvo maior que os mais comuns mas não de herança nobre. A ave de rapina tem as plumas negras mas com um brilho em tom esverdeado e olha diretamente para o Barding, que por sua vez é capaz de ver chamas ardendo em seus olhos. A visão de Sigvald o leva até um local sombrio e com muitas árvores retorcidas de onde muitos destes Corvogórgonas observam e crocitam. Há uma água enegrecida e fétida na altura de seus joelhos e em meio à tudo isso, uma voz sinistra profere algo numa Língua Negra em seus ouvidos enquanto ele é capaz de ouvir um sinete tocar bem distante.
     
  • As embarcações para aluguel são liberadas apenas pela manhã, e todos resolvem por retornar para taverna. Eles encontram com a outra Comitiva e negociam a possibilidade de formarem apenas um único grupo, já que compartilham dos mesmos interesses. Apesar de certas insatisfações, todos chegam a um consenso e então Sigvald se vê mais tranquilo para negociar seus interesses, as ervas de fumo do Condado, com sua velha conhecida Lily. 
     
  • A reunião da Comitiva, agora realmente formada e composta por nove membros (Ainencaitar, Éohorn, Ginar, Hanar, Kori, Lily, Lomund, Randur e Sigvald), se dá na casa de Lomund e todos confraternizam, na medida do possível, com muita comida e bebida, além do fumo. Todos partem pela manhã em busca da embarcação e apresentam seus documentos aos Homens do Lago que liberam três tipos de esquifes de madeira e fundo redondo. A Comitiva decide pela maior delas e fogem do tradicional, iniciando sua jornada num belo barco com uma enorme cabeça de dragão em sua proa.
     
  • Lomund se mantém por perto para guiar o caminho pelo Lago Comprido, enquanto Kori assume como timoeiro, mas a viagem inicialmente se mostra algo bem intuitivo. A Beorning fala do nevoeiro que podem pegar na chegada aos Pântanos Compridos e de uma possível garoa que ela consegue farejar. O primeiro dia transcorre facilmente e a Comitiva chega, no período da noite, nas Escadarias de Girion. Neste ponto é necessário fazer a transposição da embarcação entre os rios para se evitar a queda d'água. Kori e Lomund avistam fogueiras à distância, e o Príncipe Mercador acredita ser um assentamento de Homens da Floresta. 
     
  • Mesmo depois de remarem por todo o trajeto, os membros da Comitiva se vêem obrigados a empurrar a embarcação para fora do rio, deixando-os ainda mais exaustos. A Beorning usa de sua força descomunal para puxar a embarcação pelos molhes de madeira e pelas ranhuras escavadas na trilha. Lily e Lomund se esgueiram até as fogueiras do acampamento e confirmam se tratarem de Homens da Floresta. Todos decidem por se apresentarem de forma pacífica. 
     
  • A chegada da Comitiva nas proximidades das cabanas chamam a atenção não somente dos homens e mulheres, mas também das crianças. Um grupo de homens se apresentam rapidamente ao grupo e questionam sobre seus interesses nestas terras. Um dos Homens da Floresta, o mais velho dentre estes, comunica que apenas o Velho Nerulf poderia liberar a permanência da Comitiva neste local, enquanto o mais jovem dentre estes, indaga avidamente  sobre contos e canções. 
     
  • Como os Beornings possuem uma boa relação com os Homens da Floresta, Kori é a única que recebe permissão para adentrar a cabana do Velho Nerulf, enquanto os demais aguardam do lado de fora sob os olhares dos guerreiros do Norte. O mais jovem ainda questiona sobre as histórias que a Comitiva poderia contar, e inicia um joguete de charadas com a Hobbit Lily, que parece deixá-lo bastante confuso. No interior da cabana, o decrépito homem conversa com Kori sobre quem ela é, e por sua responsabilidade para com o grupo. O diálogo se dá de forma enigmática e o Velho Nerulf ainda alerta a jovem Beorning, com rimas de sua tradição, quanto a sua jornada:

    - Viajante que segue rio abaixo, o brejo pede escrúpulo. Tema a erva-de-patíbulo, cautela ao andar no pântano.

Comments

romaarfe romaarfe

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.